domingo, 27 de janeiro de 2013

"SEDE VACANTE"








O tempo move-se entre espaços
Entre-espaços movem-se tempos

Na penumbra são coincidentes                              
os movimentos            



«Se a sombra se abate sobre a palavra
que não se escreva nada»



Tempo-sódio sobre sonho só

                   O delírio          dilui-se               
                   O verso           dissolve-se
                   O lugar            desocupa-se    



O silêncio move-se entre espaços 
Entre-espaços escutam-se silêncios

Na penumbra        
são ecos coincidentes                 



«Se a sombra se abate como palavra
que se escreva vaga»



Verso-Mnemónico ou interrogante melopeia

«Restante passo             Alteando alto                    Resto–espaço»



Se a palavra somente sombra é
nem uma só se ilumine
nem uma só se ateie




«Voraz voz vertida na vertigem do verso
Trémulo temor de tempo-estreito

Se na penumbra a palavra se vagou
Silenciados sopram os ventos»



Sobram sussurros
Sobram confidências


Sobram sibilantes condescendências


                          Se à palavra a palavra regressar      restaurado seja o lugar



.