terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

O MAIS PROFUNDO ABISMO



Partir longe           perto do mais profundo precipício
passamos uma vida (quase inteira) à procura do Amor

Uma vida (quase inteira)       desconhecendo
o ardil proveniente do pré-conceito original

Vivemos no interior de um poema (prometido)
Deslumbrados em seu esplendor (conceptual)
Ignorando sua evidente desordem 
Sem perceber que todo o verso tem um propósito
E seu (primordial) intento é prender -nos por dentro


Partir longe        pertíssimo da mais longínqua ruína

Lentamente   uma árida realidade irrompe   (sempre)
E   de repente   a luz é insuficiente
Quando  incessante   sucede a vez e a espera
Enquanto o tempo se distende   em vésperas
Enquanto  descrente  o corpo sucumbe ao rumor ausente


Partir longe        antecipando o mais abrupto abismo

Vivemos incansavelmente no interior de um poema (prometido)
E um fogo quase extinto alumia tal frágil utopia

                                                                          uma vida quase inteira

domingo, 4 de fevereiro de 2018

TEMPO


Se vos disser que o tempo se esvai, Subitamente
E que, de Súbito,
Ao tempo, Suavemente vertiginoso,
Se unirá o temor de o perder


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

A CLARIDADE QUE (NOS) DECLINOU


Afastemos do peso que (nos) dobra
A densa espessura que (nos) contrai
Apartando do medo a culpa que o torna irrespirável
Encontraremos, no tempo incógnito, a claridade que nos declinou

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

NULA VIDA VOLVERÁ






Um homem nocturno atravessa a noite               (soturna)
Um sopro soturno trespassa tal alma distante
Porquanto não regressará                                         
               
O tempo nunca retrocede     e ao amor jamais se regressa
Uma reminiscência é somente um andamento inerte -    Nula vida volverá


Um homem decaído decai num desencontro

Um amar nocturno à noite sopra             (silente)
Atravessando tal tempo distante
Porquanto nada se fragmentará             

Tempo retrocede nunca  -  Amor regressa jamais
Um vislumbre é somente um momento suspenso -    Nulo vento volverá


Um sopro nocturno atravessando tal noite distante                     
Suspende um homem sem regresso

A eternidade é uma ilusão brevíssima
O amor unicamente um tempo interior

domingo, 23 de julho de 2017

Não Raro o Rosto


A demência invade o pensamento lentamente
Vagarosamente agarra seu lento vagar
Induzindo demente seu próprio esquecimento

O entorpecimento é sempre algo lento -
Dissolve luz e sombra,     data  nome  lugar                              

Não raro o próprio rosto


Progressivamente o mundo resta irreconhecível
Imperceptivelmente incógnito
Irreversivelmente desconhecido

Desune-se o gesto, descoordena-se o corpo –
o movimento fica desconexo
Desordena-se a linguagem e a voz se embarga –
a utopia é um delírio incoerente

Esquece-se o mundo que de nós se esquece

Não raro ocultando o rosto

                                                                                                                 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

CAUSA


Se cedo à escrita a obscura raiz de uma escuridão infértil
É porque um grito profundo raramente se esvaece num ruído inerte

sábado, 4 de março de 2017

RESPIRAR





Se preteríssemos a adversidade, já pretérita
E a supérflua trama de uma gesta
Poderíamos, possivelmente,                
respirar



Se desdisséssemos uma intransitável memória
E saltássemos sobre os seixos assombrados
Poderíamos, possivelmente,                      
respirar



Se sobrevoássemos toda a extensão de um amor impedido
E afastássemos, da ilusão caótica, toda a sombra e todo o caos
Poderíamos, possivelmente,                      
respirar