sábado, 29 de dezembro de 2012

ÍNTIMA IDADE







Eu

Verso vagamente transparente

Sem adorno
Sem relevo
Sem pretexto

Eu
No rebordo de um texto

Intermezzo tempo em íntima idade



Eu
Eu apenas

Em introspectiva redução da imobilidade
Abandonando-me
na existência incontingente


Íntegra renúncia como ascese acidental
Contrapondo à evidente artificialidade
A semiótica usurpação do tempo seminal


O aveludado medo de não chegar a ser
o Ser que o verso esquece



Ainda Eu
Eu e o Outro

Simbiótico confronto da intimidade
Simbiose de transcendência impúdica


Divagação circunstancial
Incorporando incorpórea virtude
Impedindo o tédio impuro
Defrontando discernente vontade


Questionando
A suposta proposição do tempo
Interrogando
 O assertivo pudor filosofal
Afastando
A oculta pauta do pavor



Eu
Eu só

O verso vagamente transparente
Na impercetível ironia da ingenuidade

Íntima-Idade

Só fragmentos


                                      .

domingo, 2 de dezembro de 2012

A Asfixiante Paradoxia da Póstuma Morte








Cai 

Calada 

A Noite



Caem sombrosas sombras em sombria secessão



São soturnos vultos de inominado nome

São sussurrantes sons em soturna cadência




                                                          «Nove vezes a face nos assola

                                                           Nove rostos nos assomam em memória

                                                           Nove terços somados como partes

                                                           Nove novenas em verso formando tempestades»






Calada

Cai 

A Voz




(                 Entre nós há um espaço de silêncios                  )





Uma oblíqua distância em muda redundância 

Uma indizível ausência em emudecimento



Um redutivo mutismo reduzido em verso

Como excesso que o excede



Uma silente sujeição em seguimento

Como paradoxal tangente à enunciação




                                                              «Perene pena pendente permanece

                                                               Vago vazio vagando vaga voz 

                                                              Figurado fogo fragmentando a foz»





Cai

Descrente

O Crente



Sacra sucumbência em altar sacrificante 

Leda pena na seda sangrada



                                            «Efémero multiplicador em ímpar equação»




Penitente indulgência ou presença assimétrica

Crença na simetria existente na ausência



                                           «Fátua figuração de um mundo fulgente»



 


Decaído

Cai

O Mote




«Na supérflua asfixia da perplexidade

Na asfixiante paradoxia da póstuma morte»




Cai

Decadente

A Decadência




Cai amorfo o verso         em alvoroço



.

domingo, 21 de outubro de 2012

Do Passado e do Tempo que Não Passou









 «A eternidade é incertamente certa

uma forma de promessa

uma alterância inversa

em controversa alteração»





Diz-me do passado         o tempo que não passou 
                          
A hora que não passa

A hora que por nós passou




Delétra da letra encoberta         a nostálgica vogal

A vaga profecia

A poética fraga

                                     O instante persistentemente insistente





O pretérito predicado prolonga o verso constante

A sílaba aberta silva o sibilo som da certeza incerta



Angulares permanências são geometrais ausências





Do outro lado da metáfora         arrasta-se a memória

Tristemente entristecida            cingida ao entardecimento




Diz-me do tempo            o tempo em nós pousado 

                                     o impassado passo        

                                     o inultrapassado impasse





«A memória é certamente incerta

uma  controversa crença

uma presença perversa

em variação perpétua »





Dá-me o tempo num furtivo poema  

A estrofe fugaz

O verso-alento       
         
                                O inalterado tempo




O axioma é oculto

O idioma é dúbio



Sustido escrito é mudo testemunho

Sustida escritura é ignota revelação




Dá-me a textual nudez de um corpo nu papiro inscrito 



                                               Diz-me do passado         que o tempo não passou     



.       

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Desprendimento Lento em Uníssono Movimento




video

                                                           (Declamação)





Sopro a sopro

                Solto o corpo



                Fragmentando o tempo   
                          
                Fissurando o rosto

                Dispersando o espaço


                                             Traço a traço





D-e-s-p-r-e-n-d-i-mento---------lento   em         uníssono             movimento







Corpo a corpo

  Aparto o sopro


                                                 Segmentando o ar

                                                 Seccionando o vento

                                                 Constrangendo o voo

                                                                                              Pouco a pouco





Desprendimento lento em uníssono movimento







Verso a Verso

Cedo

Retrocedo


Restaurando a hora   

Refazendo a face

Recriando o corpo 

Sopro a sopro




Desprendimento lento em i/n/v/e/r/t/i/d/o \movimento





Sopro a sopro

Sopro a sopro


Uníssono movimento

Desprendimento lento






Sopro a sopro

Apartando o corpo

                                                              Verso a verso
                                                                  
                                                              Passo a passo


Pouco a pouco


                                                           .

terça-feira, 21 de agosto de 2012

O SOM DO SILÊNCIO






Na intermitente intermitência da distância  

O horizonte afasta-se ________________________________________distante



Na descontinuidade      a terra estremece

                                                           cede

                                                                desfalece



Nada me move

                                  Não o lento sopro do tempo

                                  Não o adiantado passo da hora




No inverso verso do verso

                                              Emudecem cálidas sílabas    em asfixiadas palavras



Perpetuando

                                Nos infindantes significados

                                Nos indefinidos significantes

                                                                               O Silêncio








Na distante intermitência do desígnio

O mundo torna-se _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ intermitente




Em silente seguimento        o solo arrasta-se

                                                              quebra

                                                                     colapsa



No verso do inverso verso

                                               Inclinam-se rasas águas

                                               Irrompem temerosos medos

                                               Dobram-se silêncios



Nada me move

                           Não a insistência inconforme

                           Não o dolente acorde do andamento   

                                                                           Desnudando singular mudez
                                                                                 
                                                                           Em seus rituais plurais


                                                                                     Sussurrados significantes

                                                                                     Sussurrantes significados




.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

As Instáveis Alquimias do Verso Filosofal







«Todo o compasso tem um hiato           

Um intervalo que interrompe o tempo               

E o devolve        como espaço adverso  

                                                                   Ao verso»





As rotas são redundantes          
                                              Elipses em indeterminantes determinâncias


As derrotas são angulares          
                                              Traços em oblíqua supressão


Todo o movimento é ilusório
                                              Passo estático   em aparente progressão 







«Ambíguas são as dualidades    e as insensatas fugas


Contíguas distâncias que se formam     
                                                            quando sofridos             sopram os ventos





                                 
Interrompendo o tempo

I  n  t  e  r  r  o  m  p  e  n  d  o       o     t  e  m  p  o  »







Utopia silenciada na sombra da palavra

A voz irrompe da obscuridade
                                                  como áspera face          
                                                                                    reinventando a raiz do mundo




O conhecimento é iminente transigência

Inconstante discordância em constante descontentamento





Todo o poema é um lugar estreito          constrangido ao lugar-comum



                                                             «No silêncio       o verso entardece»     





.  

quinta-feira, 21 de junho de 2012

MELANCHOLIA






I. DEMASIA



Na demasia    todo o tempo é escasso

A sombra ergue-se na cinza das horas 



                                                                    Como facho difuso

                                                                    Como profuso fogo




Sucessivos fluxos em sequenciadas espirais

Impressões de inextinguível imortalidade







Na demasia    todo o tempo é insuficiente

A suficiência inquieta o perfilar das pedras 




                                                                   Como imprevisível possibilidade

                                                                   Como impossível probabilidade






II.INÉRCIA


Na inexpressiva espessura dos dias

O poema é um deserto de palavras



                                                                 De rimas insonoras

                                                                 E alegorias inconsequentes 


                                                                 De metáforas desprovidas

                                                                 E irrelevantes utopias



                                                                 De insignificantes significados

                                                                 E compulsivos adiamentos






O tempo torna-se inalterável       quando o tempo se desmorona




                                                                  Restam as horas que sobram

                                                                  Meras sobrevivências

                                                                  Supervenientes persistências




É bruma que prende e oculta


                                                                  Corrompendo o fundamento

                                                                  Corroendo profundamente





A névoa é invisível      invasiva      infinda



Em sucessiva propagação       sucede-se em sucedâneas sensações




                                                                  Amotinada revolta

                                                                  Anárquico debate

                                                                  Caótico tumulto



                                                                  Recorrente mágoa

                                                                  Angústia persistente

                                                                  Irresistente desistência





Contínuo devir em progressiva continuidade



                                                                Como improdutiva resignação

                                                                Como íntegro desinteresse








III. DESVARIO



Na imprecisa textura da noite       o sonho é uma sombra diletante



                                                                   Em miríficas imagens

                                                                   Em evanescentes miragens




Na incerta certeza das trevas       a incerteza é um conceito delirante




                                                                     De adicionados aditivos

                                                                     E inactivos passos



                                                                     De destituída força

                                                                     E forçosa fraqueza



                                                                     De incómoda incomodidade

                                                                     E constante aridez









IV. MELANCOLIA



Toda a sabedoria é provisoriamente transitória



                                                                    Uma efémera fragilidade

                                                                    Um etéreo sentido

                                                                    Uma instável verdade





Uma filosófica conjugação de um verbo



Como esta melancolia    em demasia

I n s i s t e n t e m e n t e          Vazia







.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Jardins de Jade







À margem do tempo  
                  
Além do firmamento


A metamorfose das horas


Sussurrantes ambrósias são nascentes primordiais




Âmbulas de água

Clepsidras coloridas

Ampulhetas invertidas


Todas as fecundas fontes são enigmas iniciais





«Um sopro         e uma sépala de prata
Perene              o pólen protege a entrada
Selene              aguarda»






Extensas são as planícies             Plenas

Plenos são os planaltos                Extensos




    São de jade os jardins

    De jade e de jasmim




São secretas terras       Vastas searas em safiras semeadas  
                                                


São recriadas Eras       Safras colhidas     Recolhidas em cristais                                 




São veios que se estendem

                                     e margens que confluem

                                                                       em rubros cursos de rubi


  


É a iluminante alquimia da cor na sua inédita tonalidade


É a madrugada que arvorece em luminosas fulgurâncias






«Um sopro sagrado      e uma pétala de prata

Um rosto em rubor       Um divino rumor            

Solenes passos dobrando rosados adros»






Sobre os tempos sopram ventos madrigais


Incandescentes desígnios em descendimento                





Ventos sobre o vento
Sussurrantes chamamentos
Evocantes coros celestiais


Agitando alturas             
Alterando altares 
Refirmando firmada morada





É o imóvel movimento das estátuas      
formando veneradas formas




São sagradas gravuras
   animadas figuras
utopias figuradas           
de forma humana



É o culto milenar da esfinge       e a inviolável candura da imortalidade  





São os primitivos ritos


É o mito restituído à palavra       como fluido intemporal


É o secular tributo do sonho      como ínsito sentido do verso




«Um sopro         e um luar de prata»


.

domingo, 29 de abril de 2012

Etéreos Tempos são Traços de Eternidade






O tempo é uma palavra   

Uma coordenada sem dimensão



Como um singular teorema

Em invariante expansão

Em irrestrita relatividade


Imensurável é o tempo      no tempo indeterminado



Como um quântico espaço

Em continuum movimento

Em ilimitada quantidade


Incontável é o tempo         no tempo continuado




Sem tempo            nosso tempo


Sem pausa

Sem duração



Onde o tempo não flui

As horas unicamente são




Etéreos tempos são traços de eternidade


.