segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A Noite que à Noite se Sobrepõe






Um dia
              o dia será
                                Ausência


Por fim
o tempo cessará
                                           Infinitamente



Como noite que à noite se sobrepõe
A sombra à sombra se sobreporá

                                               Como uno momento
                                               Como definitiva forma
               


Infecundas são todas as negras primaveras
Assim como estéril é o corpo por fecundar

Inútil é o tempo consagrado à treva
Assim como toda a reza é ineficaz



Longos suspiros são mil murmúrios
Vagos abismos de inacessíveis altares



Na noite
              ausente será
                                       A memória


Sem fim
   a utopia cessará
                                           Definitivamente



Como voz sobre o vácuo vertida
Como verso de um poema vazio


.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Reticente Enigma em Ambígua Reticência



video





Dois instáveis pontos

E um ponto terceiro



Reticente enigma       em ambígua reticência

Suposta metáfora       em metafórica palavra

Estigma marcado       em a.d.u.l.t.e.r.a.d.a. pele




Assim     inclemente     é soletrado     o verbo

Assim     insolente        é dissolvido    o sonho

Assim     se ergue          demente       o mundo




Enquanto               por dentro

                             Arde

                             Esventrante o fogo


Enquanto              por dentro

                            Corrói

                            Cáustico o ácido




São acesos cânticos      Irrompendo em rumor

São vulcânicas vozes     Expelindo em trova

                                                                          A lava

                                                                          O rancor



Assim  convulso         Estremece o corpo

E    em convulsão      Se lamina o verso 



Como perfurante lâmina         sobre pérfida palavra

Como mágoa amolada           num retorcido fuso


Como parte partida                de enegrecida parte

Como frágil verdade               do sonho sem textura




São vielas estreitas

Atalhos enlouquecidos

Indignos lugares


Grilhetas de gelo

A insanidade trespassa




Esparso              o laço que constrange

Deslaçado           o nó que restringe

Longo                 é o ponto que rasga



«Da reticência descende tua dor»



.