sábado, 17 de dezembro de 2011

Sonetos de Impura Lucidez






I.

«Escritos foram todos os (negros) versos»


Na penumbra suspenso
Um suspiro
Inaugura o Mundo


Todas as cinzas morrem
Assim como em cinza morrem todos os mundos

Enquanto uma flâmula se eleva
Como verso outro
Em ressurgimento



Restaurando das harpas              O timbre
Recriando pianos                           em alvas claves
Restituindo aos círios                   O lugar




São verdes lírios em pungente canto
É a voz em translúcido coro
Convertendo nas rezas rudes trevas
  

É o passo sobre límpido fogo
Como força que das águas emerge
É a terra que da terra se eleva
Como irrecusado rumo




II.


«Derramadas se mostram todas as líquidas mágoas»


Em suspensa dor
A trova
Retrocede o Tempo


Todos os fogos se extinguem
Assim como em fogo se inflamam todas as quimeras

Enquanto uma absurda lágrima se ergue
Como ante-verso
Antevendo no verso
O padecimento



Restituindo às cordas                 O laço
   Recriando palcos                         de negras récitas
Recitando às tochas                       O lume




São estrofes de ímpia coragem
São sonetos de impura lucidez

São infames recantos em recantos de memória
É a senda como pólen que venda o passo

Nenhuma treva se remove numa só reza
Assim como nenhuma reza restaura decessos mundos




III.


Escritos foram todos os versos
Derramadas todas as mágoas se mostram

Enquanto o mundo desabrocha
Como verso flor
Colhendo-me
Por fim


.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Negras Flamas em Negros Castiçais





I.


   Atrás      |
                 |
                 |
                 |    das horas                      A boreal aurora



           A MEMÓRIA     
        
           Em palavras sobrepostas

Como tochas 




       Versos em chamas              Negras flamas em negros castiçais

       Inquietas silhuetas               Inconstantes vultos em constante propagação

       Sibilinas sombras                Imprecisos traços em traço de carvão

       Retidos rostos                     Retratos retraídos em largas madrugadas




É a memória sobre áridos trigais

É o passado do passado

                                                                                                                  Por concluir




II.



   Atrás      |
                 |
                 |
                 |    dos dias                       Entardecem todas as tardes  
                                                         Assim como todas as tardes me entardecem





                           Um TEMPO

               Sem palavras            

                                                                  Temo do tempo o tempo em que me temo



                           Um IDIOMA   

               Inacabado
    
Verbo disperso em disperso espaço



                          Um LAMENTO 

                          Sussurrado

                   Etéreas são as mágoas elevadas
                   Assim como elevado é o caminho das águas



                         Um IMPONDERÁVEL 

                         Verso

                                                                 É o poema um lugar sacrificial?







III.



  Dentro     |
                 |
                 |
                 |    de mim                       Anoitecem todas as noites
                                                       Assim como todas as noites em mim anoitecem




Como negras florestas
          
 Todas as planícies se encobrem

Anunciando a sacra via dos candelabros

A procissão dos sofridos fracassos

O pó que ao pó se irá suceder



Elevando ao alto

Meu medo

Minha dúvida

Minha hesitação


Minha recorrente pena



Porque me quedo em queda quando meu verso te clama?





    

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Arcos em Íris por Vendar







I.


Adiante               estende-se negra           A Terra


Um poroso estrado                         
Um escasso espaço                       




Acima                inclinam-se negros         Os Céus


Um obscurecido manto                                
Um constrangido tempo                            




Ao longe                             O Horizonte


Uma moldura sem margens
Uma espelhada tela
Um retrato plano           
que ao princípio me devolve




«Era imberbe                    o rosto                 Sem angústia
Era rebelde                       o sonho               Sem temor

Eram descobertas Eras                               Sem idade
Era a desvendada vida                                 Sem prazo


Como arcos em íris por vendar»



II.


Negra é a terra                que piso
Infértil é o chão               enegrecido



Assim como negros são os céus inclinados
       que se abatem agora sobre mim



«São exíguos labirintos                               Caminhos sem caminho
São percursos escusos                                Anunciados degredos»




Ao longe                             O horizonte
                                          A Meia Face



O rosto convulso               que em faces se reparte



Uma face suspensa                      face da face retirada      
Uma afrontada fronte                    fonte de água parada


Como se estática sempre tivesse sido
Como se assim tecida                 tecido tivesse sido seu destino




Metade sem metade 
Incrédulo é o rosto de uma lágrima


O reflexo perplexo         revolto em revolvido movimento


Como se essa fosse a forma de invocar 
A face ausente                 que ao rosto pertence




III.


Incontados                       são os contos
Incontidos                        são os traços

E todos os concisos infinitos


Incontáveis                      são os tempos
Impronunciáveis               são os medos

E todas as definitivas formas



Adiante inclina-se          A terra
Acima estendem-se       Os céus
Ao longe                       O horizonte


.