sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

MONOCROMIA








Tempo é espaço,
                              Em desencontro.

Espaço é tempo,
                             Em desacerto.


Lugar
       Onde o sonho se perpetua,
                                              Em sombra.



Negra teia me enleia


Sombreado verso
Onde repouso,
                                             Em silêncio.


Silêncio é voz

Um quase nada
Um rumor
Um amor que me escapa
Uma escarpa
                          Uma
f
 a
  l
   é
    s
     i
      a
    

Um poema na berma
Como corpo s-u-s-p-e-n-s-o,
           Em cordas de vime.


Negra é a cor
Deste deserto deserto,
Em agonia.

Monocromia


Lugar onde o sonho soçobra
                                     E um olhar me retoma
Entre o sonho que sobra



  .