sábado, 10 de dezembro de 2011

Negras Flamas em Negros Castiçais





I.


   Atrás      |
                 |
                 |
                 |    das horas                      A boreal aurora



           A MEMÓRIA     
        
           Em palavras sobrepostas

Como tochas 




       Versos em chamas              Negras flamas em negros castiçais

       Inquietas silhuetas               Inconstantes vultos em constante propagação

       Sibilinas sombras                Imprecisos traços em traço de carvão

       Retidos rostos                     Retratos retraídos em largas madrugadas




É a memória sobre áridos trigais

É o passado do passado

                                                                                                                  Por concluir




II.



   Atrás      |
                 |
                 |
                 |    dos dias                       Entardecem todas as tardes  
                                                         Assim como todas as tardes me entardecem





                           Um TEMPO

               Sem palavras            

                                                                  Temo do tempo o tempo em que me temo



                           Um IDIOMA   

               Inacabado
    
Verbo disperso em disperso espaço



                          Um LAMENTO 

                          Sussurrado

                   Etéreas são as mágoas elevadas
                   Assim como elevado é o caminho das águas



                         Um IMPONDERÁVEL 

                         Verso

                                                                 É o poema um lugar sacrificial?







III.



  Dentro     |
                 |
                 |
                 |    de mim                       Anoitecem todas as noites
                                                       Assim como todas as noites em mim anoitecem




Como negras florestas
          
 Todas as planícies se encobrem

Anunciando a sacra via dos candelabros

A procissão dos sofridos fracassos

O pó que ao pó se irá suceder



Elevando ao alto

Meu medo

Minha dúvida

Minha hesitação


Minha recorrente pena



Porque me quedo em queda quando meu verso te clama?





    

4 comentários:

  1. Vamos ver se eu consigo articular um comentário à altura do poema, além da minha estupefação e admiração de sempre! Sim, a estupefação se dá porque quando penso que esgotaste todos os recursos estruturais, metafóricos e linguísticos, trazes um poema quase inalcançável, de tamanha grandeza que não dá para eu analisá-lo, de tão limitada que ele me deixa. Me toma, me engole.

    Fiquei imaginando o impacto da situação na qual és compelido a escrever (sim, Filipe, a poesia conclama sua escrita), e as indagações, as situações recorrentes, esse espelho em que descreves a tua poética necessidade do transbordo. E escorre aqui, nesse porta-sonhos, luzido por esses castiçais boreais...

    ResponderEliminar
  2. Sem falar que: no poema I, podemos lê-lo em colunas, ou linearmente, e estamos diante de dois espetaculares poemas!

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia a sua escrita.
    Gostei desta espécie de "despenteamento poético" que nos permite construções e desconstruções.

    ResponderEliminar
  4. Quantas palavras cabem no teu peito nas noites em que o sol te ado(u)ra a pele?

    e__________é ler-te______a.s.s.i.m______________em sonata de outono_assim como quem respira águas límpidas de rios que desaguam no peito de quem clamas. porque a tua quietude é sempre movimento nos gestos(con)sequentes das letras desordenadas num alinhamento universal dos teus dedos melodia. És poema em poesia. E eu_____________quedo-me fascinada nas tuas florestas de candelabros mágicos que inflamam os corações desprevenidos.
    Um_____________beijo.Em memória de mais um poema sublime!

    ResponderEliminar