sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Tempo ao Tempo Oposto








I.


«Os abismos são erguidos monumentos


                                                    monumentais constrangimentos


                                constrangidos espaços


                 que espaçam                 


                                                      o tempo circunstancial»





Tempos


                           antes


         do tempo


                                                   ...tempo houve





                                                                     «Eram vozes discordantes

                                                                    Eram presságios errados

                                                                     Eram profecias errantes»





Era inquieta dor                em inquieto tempo

Era um vento obsceno      encenado na razão


Como ardente dor             era odor e prelúdio

Como imerso fogo            era verso  implosão





II.



«Os abismos são exíguos círculos


                                                              erigidos circuitos


                                   circundantes cursos


                                                                                  movimentos curvos


                  percursos que retomam


                                                                   o passo inicial»





Das heras descende a palavra

Nas Eras ascende a voz



                                                       «Em desordem       reordenado o caos será»




A voz sussurra o tempo         como se tempo a voz fosse

Como vento            ao vento oposto



Assim      inverso         irrompe o verbo

Assim     o verso         se faz sopro submerso
                                                                         Em ti





III.



Entre tempos


                              escrevo no tempo


              tempo teu





Como sibilada palavra               agora escrita

Como segredada voz                agora escutada




                                                                  «Se a eternidade é um poema

                                                                  Eterno será o tempo perpetuado em ti»




Este é o traço que à rasura se sobrepõem

Este é o espaço que te cabe no meu tempo


Como tempo        ao tempo oposto




.

4 comentários:

  1. Meu Deus!É um dos poemas mais completos que já li. É encantador, forte e suave ao mesmo tempo.
    Não sei se era intenção do autor, mas percebi essa dualidade no poema. Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Existe um tempo que me acolhe,
    o tempo da minha existência,
    e um outro que me entristece,
    aquele em que não me encontro...
    Relógios torpes,
    ponteiros levianos
    e para onde vão
    os anos dos meus anos
    que eu sempre quis
    e nunca conheci...
    Sou um verso torto
    num soneto métrico,
    vento sem direção,
    corpo presente
    d'alma ausente
    viajante dum tempo
    retrógrado, retrato!
    passado, doutro!
    vivido, noutro!
    saudoso, em mim!
    porém...
    cheguei tarde demais
    para o pertencer...

    Olá, amigo poeta, esta questão do tempo sempre me deixa melancólica, porque penso que nasci na época errada,pertenço a um tempo que não é o meu tempo, acho que minha vida é um filme dos anos 30...

    Parabéns pelo teu lindo poema!

    ResponderEliminar
  3. Eu já não sei se os abismos são pequenos círculos, ou tempos monumentais de uma distância que que (nos)destrói.
    Tenho consciência plena de que algumas vezes, alguns sejam de fato intransponíveis. (E)Levando essa (im)potência ao mais alto nível do desejo, da saudade, da vontade de ser outra vez o tempo que era, que foi.
    Na verdade, Filipe, estou é deambulando em voz alta, como se estivesse respondendo a mim mesma (e estou), as tantas perguntas que o seu poema me suscitou.

    Demorei-me na imagem da árvore que representa de acordo comigo, o tempo do outono - o meu preferido dentre todos - e vejo uma figura feminina, com braços elevados, revolvendo no ar as folhas do tempo.

    Um poema que grifa as cores do outono (um outro e necessário tempo) e do amor.
    Um sentimento que pode ser inclusive direcionado à pátria tão vilipendiada - e os (des)caminhos de uma política que está levando o país ao caos... Veja quanto me cingiste de dúvidas e de possibilidades!

    Belo, como os demais!

    ResponderEliminar
  4. obsceno o fogo que aquieta o tempo.perpétuo enquanto eterno em ti. o oposto do avesso. no inVERSO.posto.


    soberba a tua escrita.(tinha tantas saudades de te ler:-)

    ResponderEliminar