sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O Corpo que o Corpo Aguarda





Aguarda o corpo
                o corpo que o corpo aguarda
Como um verbo em espera
Como um verso d’ água              


Onde antes se inscreveu uma dor incolor
Sem tonalidade
Onde antes se escreveu a cor sem cor
Sem espessura

Inscreve-se agora          
novo tempo novo



São vozes               sopros de cedro vento         entre sebes
São esculturas        figuras esculpidas               na sede


Como anseio e desígnio
Como lugar do corpo
Como escrita profecia
que te pronuncia


«Serão mantos cobertos de girassóis
Serão mil sóis de lustradas cores
Serão luxuriosos rubores
deitados em rubros lençóis»     



Como na pausa se pausa             pousado tempo
Assim surgirás                 

Em imprevisto ressurgimento
Como evocada efusão


Quando por entre águas em fogo
  o fogo emergir              em chama





(com comentário em anexo)




7 comentários:

  1. Tenho por regra não responder directa e individualmente aos comentários com que, neste blogue, muitos honram a minha poesia (a mim me honrando)
    (A todos deixo o meu reconhecido agradecimento).

    Cada comentário(e todos merecem a minha atenção) é sempre um forte incentivo para que prossiga esta aventura.
    A aventura de escrever, onde, tantas vezes, me inscrevo (em tons cinza).

    Talvez pela constância profunda do tom, alguns dos que acompanham de forma mais constante este espaço têm manifestado a vontade de aqui encontrar um poema mais colorido.

    Foi em resposta a esse “apelo” que escrevi este poema que também poderia intitular como
    “O corpo que o corpo aguarda ou a minha forma de sorrir á dor”.

    É bem verdade que predomina na minha escrita um tom cinza,
    Talvez porque o poeta seja um eterno sofredor
    Mas não é menos verdade, aqui me confesso,
    Que o homem que nele se guarda é um eterno sonhador.

    Obrigado por sempre estarem

    Beijos e abraços

    ResponderEliminar
  2. Mt bom também neste registo mais colorido...:)
    Beijos às cores e abraços também, com cheiro a Verão e a sonhos!

    ResponderEliminar
  3. Sublime... a tua poesia, como tão bem nos habituaste. É sempre um prazer ler-te... a poesia em profecia, em ti, em nós...


    bj

    ResponderEliminar
  4. As tuas palavras disseram tanto de mim...e a tua poesia é profunda...e a tristeza pode ser bela conforme as mãos que a pintam.
    Adoro ler-te.

    Um beijinho
    Rosa

    ResponderEliminar
  5. ...e o corpo é deitado ao mar, ora como navegante, ora como condenado...
    bjos
    manuela

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito desta mudança de tom, mas não a achava necessária. Necessário é que continue a escrever, seja sobre o sofrimento do poeta, seja sobre aquilo de que se serve para disfarçá-lo. E... pronto, gostei muito.

    ResponderEliminar
  7. corpos e almas t(r)ocados. a cor é apenas a incandesc~encia inflamada dos sentidos.
    beijo de lua cheia.
    Luna

    ResponderEliminar