sábado, 25 de junho de 2011

Roxas Lágrimas em Púrpura Dor





I.



Erguem-se eflúvios fumos

Esfumados rasgos de dor

Etéreas silhuetas elevam-se

Fumos negros em vapor



Traços de sombras em silêncio

Como obscuro relevo
                                     
                                       revelado na obscuridade




A memória      como negrura negra

O tempo         como negro negrume






II.



Agora que se calam             as cítaras

Agora que se quebram         os ulmeiros



Murmulham      nómadas            as palavras



                                                              Cada rosto    é teu rosto

                                                              Cada corpo   teu culto

                                                              Cada verso   teu lugar





Assim o silêncio se torna verbo

                                                 como verso confesso
  


                                                              Roxas lágrimas

                                                              Púrpura dor




III.



Sobre as águas

                          emergem

Vultos de fogo




Avultadas sombras em chamas

                                       
                                              Eflúvios rostos



            Fumos perfumados

                                          na dor








.

7 comentários:

  1. "Fumos perfumados na dor". A delicadeza do verso com a contudência da palavra. Gosto muito. Abraços, Pedro.

    ResponderEliminar
  2. Filipe, poesia se altíssima qualidade. Sonoridade, ritmo e imagem poética conjugados com perfeição. Que beleza de poema!

    ResponderEliminar
  3. Lágrimas de cor trazem à memória subdita musa que se viu flor única em seu tempo por roxas púrpuras palavras em seus versos melancólicos e aqui vim encontrar em poesia...

    Sublime!

    ResponderEliminar
  4. "Assim o silêncio se torna verbo "

    Quantas vezes isto acontece, é do silencio que nascem as acções...Gostei...muito!
    Um beijo

    ResponderEliminar
  5. Suave, terno, memórias num silêncio que é pura poesia...
    Obrigada pela visita; um pouco ausente por doença do meu Pai...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  6. "A memória como negrura negra

    O tempo como negro negrume"

    Fabuloso este jogo de sentidos que seguem em paralelo (memória/tempo), mas divergentes conforme o estado de alma.
    Gostei imenso de todo o poema; obscuro pode ser tudo o que não sentimos, percebemos, desconhecemos, mas sobretudo o que está fechado para a mente... Cada verso é um poema!
    O que escreves é sempre muito profundo, muito "existencial", filosoficamente (sou uma simples leiga...)
    Bjo :)

    ResponderEliminar
  7. Dor purpura de lágrimas roxas do frio no peito.
    leio-te, vislumbro-me e apresso o passo.
    Quebram-se os ulmeiros, o silêncio e a dor. (d)e parto. Não sem ante te dizer que: o fogo é um perfume que aspiramos até à morte.

    Outro beijo. d.e.v.i.d.a.:-)

    ResponderEliminar