terça-feira, 29 de março de 2011

Estultos Vultos





Que sombras estas são

Que me seguem

Me perseguem

Como estultos vultos

(Ocultos)

Que avultam

Em desordem

A razão




Que sombras estas são

Que me rondam

Me assombram

Como

Nomes sem nome

Faces sem face

Como

Silhuetas desfeitas

(Feitas de negro-morte)

Que habitam

E invertem

A razão




 (...)


«Onde se escondem

Os lagos coloridos

Os campos floridos

Meus olhos de criança»


(...)




Que vozes estas são

Estes gritos que ecoam

Como ruídos retumbantes

Estes risos aflitos

Que troam

Como lágrimas ressonantes




De onde procede

Esta névoa que me traja

Este ultraje que me povoa

Despovoando a memória




Que canto é este

Que se aproxima

Taciturno

E em surdina

Porque voa o corvo

Como ave de rapina



(...)



«Dos mortos, a morte nada sabe

E a vida já não quer saber de mim»


(...)



E
Tu
Onde estás?





.

5 comentários:

  1. Poeta

    A eterna procura do EU...e do NÓS.

    Onde se escondem
    Os lagos coloridos
    Os campos floridos
    Meus olhos de criança

    Onde nos perdemos de nós...onde ficámos...onde deixámos o corpo despido.

    Divagações...deixo um beijo.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  2. Uauuu Giraldof mensagem envolta numa mar de sombras...é voz de poeta.
    bjos
    manuela

    ResponderEliminar
  3. envolta em sombras vis(lumbradas)pela apatia das silhuetas.
    rodopio de cores em semi-breves no teu peito de poeta.quantas lágrimas te cabem num sorriso? daqueles que te rasgam o olhar e perfumam os corpos que tocas?
    poeta de perguntas infinitas: a razão pode ser um coração moribundo, que rasteja em vez de pulsar.

    (leio-te pela segunda vez e de cada vez uma palavra nova :-)
    beijo

    ResponderEliminar
  4. Muito gosto eu dos jogos entre sombra e luz, visível e incógnito. Quando nada é certo, é difícil sabermos que rumo tomar ou a que conclusões chegar, e este texto ilustra bem isso, como quando refere a razão invertida pela acção dos vultos indefiníveis. O que sobra de nós entre tantas interrogações?

    ResponderEliminar
  5. Sombra por sombra, estamos todo escuros.
    Muito bom.

    ResponderEliminar