sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

MONOCROMIA








Tempo é espaço,
                              Em desencontro.

Espaço é tempo,
                             Em desacerto.


Lugar
       Onde o sonho se perpetua,
                                              Em sombra.



Negra teia me enleia


Sombreado verso
Onde repouso,
                                             Em silêncio.


Silêncio é voz

Um quase nada
Um rumor
Um amor que me escapa
Uma escarpa
                          Uma
f
 a
  l
   é
    s
     i
      a
    

Um poema na berma
Como corpo s-u-s-p-e-n-s-o,
           Em cordas de vime.


Negra é a cor
Deste deserto deserto,
Em agonia.

Monocromia


Lugar onde o sonho soçobra
                                     E um olhar me retoma
Entre o sonho que sobra



  .

7 comentários:

  1. O vime é forte, e o sonho, na volta, encherá de cores seu poema. Gostei muito desse, porém, aguardo um mais colorido (desafio, rs...)
    Bjos.

    ResponderEliminar
  2. Monocromia, escarpa falésia------- espaço e o tempo que dê o espaço necessario à escalada ascendente!
    belo poema nu(m) belo espaço

    ResponderEliminar
  3. Poema de uma cor
    A uma só voz
    Poema que grita
    E agita o sonho de todos nós
    Poema esquema,
    Verso
    Reverso da vida
    Que um dia nos faz sofrer
    Poema de uma dor,
    De uma cor
    A uma só voz

    Amei pois claro! Como sempre amo as tuas palavras! Beijinhos
    I

    ResponderEliminar
  4. Um poema na berma. o,de o tempo é espaço.
    Deve continuar a escrever!

    ResponderEliminar
  5. ...nadei profundo nesse lugar que incita cor nenhuma, quem se importa se traduz um nado parecendo escamas em todas as cores?
    Gosto de poesia assim que me faz ler, ler e ler...

    ResponderEliminar